Assine o jornal do  site para receber notificações de alteração! Dúvidas ou  sujestões, entre em contato comigo! Tire dúvidas no  Fórum de Modelismo Alternativo! Assine meu livro  de visitas! Leia ou submeta  arquivos para o site! Aprenda a montar  modelos alternativos! Volte à página  inicial... Visite alguns  links interessantes! O mapa deste  site... Fotos de meus  modelos alternativos Como as coisas  eram feitas de verdade... Informações e  esquemas de aviões! Here you can view my English Language version of the site Acesse meu novo conteúdo de ferromodelismo
MODELISMO EM ESCALA COM MATERIAIS ALTERNATIVOS
Passos: 1 2 3 4 Utilização

método de fôrmas


A construção de fôrmas facilita bastante a fabricação de algumas peças pequenas, que se repetem em vários pontos do avião, ou que sejam iguais em vários modelos distintos que você produzir. Um exemplo é a construção de spinners para aviões bimotores, como o Heinkel he-111

O objetivo deste método é a construção de fôrmas para a padronização da forma de peças que exijam produção repetida

Os materiais empregados são a massa epoxi, ou massa de preenchimento (cola e serragem), ou massa plástica para modelagem, cola instantânea, pregos ou rebites, plástico, madeira e óleo de cozinha

As ferramentas necessárias podem ser a tesoura e a lixa fina, dependendo do material utilizado na construção das fôrmas.

Existem várias formas de produzir fôrmas, o que depende exclusivamente da peça a ser moldada

Com madeira e plástico podemos adaptar fôrmas abertas (um simples apoio para secagem de material) que servirão de moldes para a secagem de massas ou papéis molhados, modelando-lhes uma das faces pela ação do peso do próprio material. Elas podem ser copos, cilíndros de plástico, arames, etc. Este é um processo que não necessitará de maiores explicações

Com massa epoxi, massa de preenchimento e massa plástica podemos fazer fôrmas fechadas (conjuntos de objetos côncavos e convexos, que pressionados uns contra os outros, modelam algum material entre eles aplicado). Estas fôrmas são capazes de modelar por pressão e colagem simultâneas. São estas fôrmas que ensinarei a produzir


Figura 1: Fôrma aberta para modelar 1/4 de círculo em papel ou massa.


Voltar ao topo da página

O método passo a passo:

Passo 1:

Com massa epoxi modele a fôrma de pressão (objeto convexo). Esta fôrma deve ter a mesma forma do objeto desejado. Modele-a ao redor da cabeça de um prego, ou de um rebite cego, pois estes servirão de cabo para o artefato. A cabeça do prego ou rebite deverá situar-se dentro da massa, para que ao secar, sirvam de apoio resistente para o cabo.

Este trabalho é artesanal e artístico (como brincar de macinha) e dependerá de sua habilidade manual

A fôrma deve ser produzida na forma correspondente à forma original do avião, já na escala escolhida.

O Durepoxi é adequado para esta tarefa, já que é fácil de modelar e fica bastante rígido após a secagem

A fôrma de pressão deverá ser a primeira a ser modelada, já que é ela que dará forma à fôrma modeladora.




Voltar ao topo da página

Passo 2:


Após a secagem da fôrma de pressão, encha um recipiente raso (pouco mais que a altura da forma de pressão) com massa epóxi, de preenchimento, ou massa plástica


Figura 2: Se a fôrma de pressão for mais alta que o recipiente da fôrma modeladora, não será possível construir a segunda fôrma. Se por outro lado o recipiente for muito alto, você poderá ter problemas com o tempo de secagem, ou a fôrma de pressão poderá submergir sob a massa fresca.

Imediatamente unte a fôrma de pressão com óleo de cozinha e enterre-a na massa contida no recipiente. Nunca cubra a fôrma de pressão com massa do recipiente


Figura 3: Caso a fôrma de pressão suma debaixo da massa, será necessário remover a massa que ficar por cima, para retirar a fôrma. Este é um processo penoso, e que normalmente danifica a fôrma modeladora.


Voltar ao topo da página

Passo 3:


Deixe a massa secar durante alguns dias, com a fôrma de pressão dentro. Durante este tempo o ambiente deve ser arejado, seco e estável (sempre quieto).

Ao final de alguns dias, a fôrma de pressão poderá ser retirada da massa contida no recipiente. O buraco deixado pela fôrma de pressão será nossa fôrma modeladora

Se ocorrerem bolhas ou defeitos na fôrma modeladora, bastará limpá-la com um pano e preencher as irregularidades com mais massa de preenchimento. Novamente com a fôrma de pressão será necessário moldar a massa recém depositada

Fôrma modeladora
Figura 4: Para evitar danos acidentais às fôrmas recém confeccionadas, construa a fôrma modeladora dentro de recipientes que possam ser mantidos permanentemente ao redor da mesma.
 
Figura 5: Passos para obtenção da fôrmas de pressão e modelagem.



Voltar ao topo da página

Passo 4:


Neste momento, se você tentar modelar algum material com estas fôrmas você quebrará a fôrma de modelagem ao forçar a inserção da fôrma de pressão, já que não existe espaço suficiente entre elas para moldar algum material.

Para corrigir este problema, utilize uma lixa para reduzir a expessura da fôrma de pressão até um ponto adequado para aquele material que você pretende modelar


Figura 6: Corrigindo a expessura da fôrma de pressão com uma lixa. Não tente corrigir a expessura da fôrma modeladora, pois este trabalho será quase impossível de realizar com precisão!


Voltar ao topo da página

Utilizando as Fôrmas:


A utilização destas fôrmas é feita com material inicialmente limpo, pressionando-o com a fôrma de pressão contra a fôrma modeladora. Retira-se a fôrma de pressão, pinga-se cola no material modelado, e insere-se nova camada de material. Isto mesmo... Utilizam-se duas camadas de papel ou papelão para construir um objeto modelado. Nós não passaremos cola direto sobre as fôrmas, senão colaremos o material nelas! Logo, uma nova prensagem será necessária, esta mantendo as fôrmas pressionadas por um tempo suficiente para que as duas camadas de material se grudem.

Utiliza-se cola branca


Figura 7: Exemplo de utilização das fôrmas para a modelagem de peças. No meio, vê-se o material modelado, seja ele papel ou papelão.

As peças modeladas nestas fôrmas devem ter pequena profundidade, proporcional ao seu diâmetro. Confesso não conhecer a relação máxima possível entre diâmetro e profundidade, para que o material não se rasgue com a pressão, mas nos casos em que a peça for muito comprida, ou possuir seções cilíndricas ou cônicas perfeitas, deve-se modelar apenas a parte mais complexa da peça nas fôrmas, ou seja, desmenbrar a peça em mais partes. Ex: um spinner ovalado que se prolonga para trás como um cilindro. Esta é uma forma semelhante às balas de revólver.


Figura 8: Comparação de dois conjuntos de fôrmas, o da esquerda corretamente construído, e o da direita com excesso de profundidade. Quando tentei moldar um spinner de Fokker Wolf, que parece muito com uma bala de revólver, minha fôrma rasgou o papel que eu utilizava em todas as tentativas de modelagem...
Voltar ao topo da página Versão para impressão Próxima página
Jornal  -  Contato  -  Fórum  -  Guestbook  -  Artigos  -  Tutoriais  -  Modelismo Alternativo
Links  -  Mapa do Site  -  FAQ  -  Galeria de Modelos  -  Detalhes de Aviões  -  Dados Sobre Aviões


Clique aqui para Ativar / Desativar o Glossário
modelagem  -  moldes